Abrir menu Escola Escola
Cursos
Abrir menu Projectos Projectos
Notícias
Galerias
Jornal "Os Gatos"

05-11-2016Visita ao Museu de Vidigueira
Notícia

No âmbito da disciplina de Área de Integração, a turma do 1ºano de TAP, realizou no dia 4 de Novembro, uma visita de estudo ao Museu Municipal de Vidigueira (antiga Escola Vasco da Gama). A técnica do Museu fez uma visita guiada à turma, às diversas salas do edifício.

Na 1ª sala, observou-se uma antiga sala de aula do ensino primário, pertencente à antiga Escola de Vasco Da Gama, que foi fundada em 1883, tendo sido encerrada nos inícios do século XX. Como o edifício não possuía uma cantina, a família mais rica da região, de seu apelido Barahona, investiu na construção de uma cantina, fornecendo os cultivos que produzia ao longo do ano (por ex: feijão, grão, entre outros). Na escola eram implementadas um conjunto de Boas Maneiras, que eram para serem cumpridas pelos alunos, como por exemplo: "Não rapes o prato, que se gasta", devido ao facto de os pratos serem feitos de alumínio e não de porcelana como no século XXI, os mesmos com o tempo começavam a gastar-se, devido ao contacto dos talheres com o prato, e como a escola não tinha orçamento para adquirir mais pratos, os alunos tinham que preservar os pratos que tinham no edifício.

Na 2ª sala, observou-se uma vasta seleção de antiguidades, como por exemplo: bolsas, canetas, fotos de alunos que frequentaram a escola, boletins de transição da 3ª classe pertencentes a alguns alunos e um quadro de Boas Maneiras que tinha como função manter a obediência e respeito por parte dos alunos perante os professores da escola.

Na 3ª sala, observaram-se utensílios que o homem e a mulher usavam no seu dia a dia, nomeadamente o vestuário, objetos, pertences, acessórios e antiguidades.

Na 4ª sala, observou-se um cabeleireiro/barbeiro que continha inúmeros utensílios antigos, por exemplo máquinas de barbear (manuais), um recipiente onde eram colocadas as “escarretas”, porque como os chãos eram de terra batida, ficava mais higiénico cuspir para dentro do recipiente do que cuspir para o chão.

Na 5ª sala, observou-se uma mercearia, onde se podia encontrar os produtos necessários para os habitantes, nomeadamente vestuário, brinquedos, alimentos e etc.

Na 6ª sala, observaram-se os utensílios/instrumentos de agricultura, do mais rudimentar ao mais moderno, como por exemplo: a enxada, a sachola, a forquilha, etc. Observámos também que os camponeses que iam trabalhar no campo tinham consigo um vestuário vistoso, apesar de simples, tentavam demonstrar uma postura a nível social, apesar de pertencerem às classes baixas.

Na 7ª sala, observámos alguns dos produtos feitos por uma vulcanizadora. A primeira vulcanizadora foi fundada em 1954, no distrito de Beja, servindo não apenas a cidade como também as vilas e aldeias em redor. Esse processo é auxiliado por uma máquina de pequena dimensão, que serve para recauchutar câmaras de ar, pneus e calçado em borracha.

Na 8ª sala, observou-se um edifício onde eram feitas as medições e pesagens dos variados objetos, sendo que nas diversas partes do país as unidades de medidas/pesos eram diferentes, por isso os técnicos que eram responsáveis por esse cargo tinham no seu estabelecimento um placard com as diversas unidades de medições/pesagens disponíveis no país.

Na 9ª sala, observou-se algumas das obras realizadas por um latoeiro/ funileiro, sendo que a mesma é uma profissão tradicionalmente ligada à construção, dado que eram os latoeiros que executavam as canalizações e os algerozes em zinco; à agricultura e criação de animais, saindo das suas mãos os ferrados, regadores, funis, bilhas, tachos, panelas, jarros em folha de flandres; à mecânica automóvel na reparação de radiadores; e a outras solicitações que a evolução social e técnica têm vindo a impor.

Na 10ª sala, observou-se algumas das obras realizadas por um sapateiro, sendo que a mesma consiste na produção e reparação manual de diversos tipos e feitios de sapatos, por parte de um homem. Atualmente essa profissão está menos ativa, devido ao aparecimento de fábricas, tirando, assim, o protagonismo aos sapateiros.

Na 11ª sala, observou-se algumas talhas onde era armazenado o vinho e objetos necessários para a época da vindima, sendo que o Alentejo, mais especificamente a Vidigueira, é considerada uma das regiões que produzem um dos melhores vinhos do país. Na sala podemos visualizar a história e os processos da vindima, tendo nas suas paredes, por exemplo, fotografias a ilustrar o processo, bem como utensílios relacionados com a vinha.

Na 12ª sala observaram-se diversas obras de arte de diversos autores e pintores, onde podemos constatar a imaginação de cada autor presente, representações e estilos artísticos das inúmeras obras de arte existentes na sala.

E assim a turma de TAP do 1º ano terminou a visita de estudo ao Museu Municipal da Vidigueira!

| Contactos | EPFA no Facebook | EPFA no Youtube | Clube d'Emprego EPFA |